Calatonia

A terapia dos toques

Cala (do grego khaláô = relaxamento) e Tonia (tensão, tônus)

Para aceitar sobrecargas e tomar consciência da absoluta insegurança da vida, faz-se necessário a sutileza, o toque, a alma expressa no corpo…

O que é Calatonia?

A Calatonia é um método de trabalho corporal terapêutico, que se realiza por meio de toques sutis, em pontos específicos do corpo humano, o que leva à estimulação dos sentidos do tato e da propriocepção. Este método resulta em relaxamento profundo, promovendo o reequilíbrio físico e psíquico da pessoa, proporcionando uma sensação muito agradável. Por meio do relaxamento das tensões musculares e da harmonização dos fluxos corporais, podemos liberar um acúmulo de energia, que até então estava sendo utilizada numa dinâmica corporal desequilibrada e em bloqueios musculares, o que causa dor e estresse.

Como surgiu?

A Calatonia foi criada e desenvolvida por Pethö Sándor, um médico obstetra e ginecologista, formado pela Faculdade de Medicina de Budapeste em 1943. Na época da segunda guerra mundial, trabalhou no atendimento a feridos e refugiados em deslocamento pela Europa. Sándor se encontrava em uma situação onde os recursos médicos, além de escassos, eram de pouca ajuda no atendimento a seus pacientes, pois as condições criadas pela guerra eram extremamente precárias então, ele idealizou esse método para trazer um pouco de alívio para o sofrimento dos feridos com os mais variados traumatismos físicos, psíquicos e emocionais. Sándor observou que, além da medicação costumeira e dos cuidados de rotina, o contato pessoal e toques sutis nas extremidades do corpo e na nuca, produzia descontração muscular, comutações vasomotoras e recondicionamento do ânimo dos operados, num nível que ele mesmo não esperava. Sándor trabalhou na Alemanha por mais três anos, cuidando de pacientes com queixas psicológicas ou neuropsiquiátricas. Neste período já começava a sistematizar e fundamentar sua técnica – a primeira sequência de toques sutis da Calatonia – com base nos conhecimentos da Psicologia e da Neurologia. Em 1949 emigrou para o Brasil, onde prosseguiu seu trabalho, atuando principalmente na área da Psicologia. Vivendo já em São Paulo, como terapeuta e professor, começou a aplicar e ensinar a Calatonia, que passou a ser conhecida por seus alunos, como um “método de relaxamento”. E, como tal, passou a ser utilizada no atendimento psicoterapêutico. Ao longo de mais de quarenta anos de trabalho, o Prof. Sándor acrescentou inúmeros outros procedimentos àquela sequência inicial conhecida como Calatonia (a Descompressão Fracionada, os Toques de Reajustamento nos Pontos de Apoio do Corpo, por exemplo), sempre mantendo as mesmas características básicas de aplicação, ou seja, estímulos táteis realizados de forma suave. Essas novas sequências de toques passaram a ser conhecidas, juntamente com a Calatonia, como Toques Sutis. Desde 1950 a Calatonia vem sendo utilizada no Brasil, por vários profissionais, em especial nas áreas de saúde e educação, como psicólogos, médicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, massoterapeutas, fonoaudiólogos, educadores, em consultórios, hospitais, pré-escolas, centros de saúde mental, entre outros.

Como é a prática da Calatonia?

O terapeuta toca alguns pontos do corpo humano, mais especificamente os pés, pernas e cabeça, toques estes extremamente sutis, como se estivesse “segurando uma bolha de sabão”. Esse procedimento é realizado com a pessoa deitada (geralmente em uma maca, mas pode ser num colchonete no chão também), com roupa leve e confortável. Cada toque dura em média 3 minutos, sendo a sessão completa de 45 minutos, aproximadamente.

Para quem a Calatonia é recomendada?

Para todos aqueles que quiserem usufruir de relaxamento. Não há contra indicações. É muito eficaz em casos de enxaquecas, de estresse, insônia, ansiedade, doenças crônicas, ou outras situações de crise, onde são necessárias intervenções que cuidem do aspecto físico, emocional e psíquico das pessoas.